Exercício simulado foi feito na Barreira para otimizar o resgate de vítimas de afogamento

A Prefeitura de Guapimirim já se prepara para as fortes chuvas de verão. Para isso, realizou – por meio da Defesa Civil, da Guarda Ambiental e do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) – uma simulação de risco de acidentes junto ao Segundo Grupamento de Socorro Florestal e Meio Ambiente de Magé (Corpo de Bombeiros). A ação aconteceu na cachoeira do rio Soberbo, na Barreira, na última sexta-feira (22/12).

Os agentes da Guarda Ambiental Igor da Penha e Wanderson Araújo simularam terem se afogado, e foram resgatados por agentes do Samu e do Corpo de Bombeiros. Na ação, os socorristas monitoraram o tempo entre uma chamada de emergência e o resgate, além da prestação do socorro em si. O objetivo é potencializar a ação dos profissionais para que consigam agir no menor tempo possível, tendo em vista as tragédias ocorridas entre 2008 e 2010 que resultaram em mortes.

“Promovemos um treinamento entre a Defesa Civil Municipal, o Samu e o Corpo de Bombeiros no poço dos Padres, na Barreira, para aperfeiçoarmos nosso trabalho em caso de resgate de pessoas, por conta de enxurradas no rio Soberbo. Lembramos que a Defesa Civil faz um trabalho de prevenção, com palestras educativas e mostrando os riscos pertinentes do rio Soberbo e a evacuação de frequentadores da cachoeira em caso de necessidade”, explicou o subcoordenador da Defesa Civil, Vanderson Marmo.

“A realização deste exercício simulado em conjunto entre a Defesa Civil, o Samu e o Corpo de Bombeiros foi incentivada pela criação do Plano de Contingência para enxurradas no rio Soberbo. O plano contém ações preventivas que devem ser adotadas para a realização da evacuação dos poços frequentados por banhistas ao longo do rio, quando houver alerta para ocorrência de enchentes”, complementou o supervisor de Contingência da Defesa Civil, Matheus Lopes.

“O simulado foi de grande proveito devido à grande quantidade de detalhes e à dificuldade da área. O acesso foi um complicador e as pedras estavam escorregadias, o que dificultou a remoção da vítima até a ambulância. Após o exercício, vamos discutir os erros e acertos. Tudo isso é para preparar os profissionais e elevar a qualidade do atendimento a futuras ocorrências dessa natureza”, sustentou o coordenador do Samu, Alexandro Lisboa.

“Com o início do verão, um número significativo de pessoas visita as cachoeiras de Guapimirim. Muitos desses turistas desconhecem ou desprezam a magnitude do evento conhecido como ‘Cabeça D’água, que consiste no aumento repentino do volume e da velocidade da água, decorrentes de chuvas fortes que ocorrem nas cabeceiras dos rios. E para evitar desastres como o que aconteceu em 9 de fevereiro de 2008, na cachoeira do rio Soberbo, em que sete pessoas morreram, são necessárias medidas preventivas, como: avisos e orientações aos visitantes e o acionamento de sirenes para evacuação do rio e suas margens. Essa operação simulada serviu para preparar as equipes para um eventual resgate, buscando otimizar nossa capacidade de resposta e promover a interação entre as equipes”, contou o subcomandante do Segundo Grupamento de Socorro Florestal e Meio Ambiente de Magé, major Odilon.